Cátia Machado?

"Eu passei a minha vida inteira compondo, intuindo melodias, recebendo letras de algum lugar que não consigo expressar exatamente de onde vem. Fazer música era tão simples, ou tão complexo, como conectar o meu universo interior a este Universo infinito que nos rodeia. E era tão natural que só muito tempo depois me dei conta disso..."

As histórias contadas neste trabalho têm alguns propósitos principais, entre tantos possíveis.
Despertar CORAGEM! Para que, através da ARTE, as pessoas se sintam LIVRES em suas expressões, para que experimentem o PODER de serem exatamente quem são, sendo acolhidas em suas VERDADES.
Afinal, todos nós temos SONHOS! E todos podemos torná-los REALIDADE.

Letras das Músicas

À César

Nem tudo é meu
Nem tudo presta
Mas o que é meu
É o que me resta

Presta pra mim
Ou de que vale se não for assim?

Nem tudo é seu
Nem tudo presta
Mas o que é seu
É o que lhe resta

Presta pra ti
Ou de que vale se não for assim?

(refrão)
Pois tudo que é seu
Só me interessa se você for meu
Mas, como ninguém é de ninguém
Que cada um seja feliz com o que temv

Nem tudo é meu
Nem tudo gosto
Do que não gosto
Me desfaço

Quanto a você
Com o que não gosta, o que
é que vai fazer?

Nem tudo é meu
Nem tudo eu posso
Mas o que eu posso
Ah, eu faço!

Faço por nós
Amarro os laços e desato
os nós

(refrão)
Porque assim sou eu
Só me interesso pelo que é meu
Mas eu acredito em você
Que cada um faça, enfim,
por merecer

Cativeiros

Ele se foi
Eu também quero ir
Mas ele é livre
E eu sou daqui

Ele se foi
Me chamou para ir
Mas tive medo
Não entendi

(refrão)
O nome é a prisão das coisas
O medo é a prisão do ser
O tempo é eterno cativeiro
Para quem anda perdido
Decidindo o que fazer

Ele se foi
Eu também posso ir
Pois meu amor
É bem mais: decidi!

E quando eu for
Será a hora de ir
Ter consciência
É ser livre, enfim

(refrão)
O nome...
O medo...
O tempo...
Prisão...

O nome...
O tempo...
Coragem...
Libertação...

Libertação!

Aparências

A minha aparente distância
Pode até parecer ausência
Mas, não

A minha aparente mudez
Pode até parecer descaso
Mas, não
A minha aparente calma
Pode até parecer insensibilidade
Mas, não

Nem toda distância é fria
Nem todo silêncio consente
Nem toda calma é covardia

Porque, de longe
Vemos com a imaginação
Que pode ser boa, ou não

Então, aproxima-te
Vem ver de perto o meu jardim
Aproxima-te
Vem ver de perto o meu jardim
Tão verde, meu jardim
Tão verde quanto o seu jardim

Vale o seu sonho

Vale o seu sonho
Vale o seu amor
Vale, a sua vida,
O valor que você der

Vale no seu tempo
Seu poder de ser feliz
Vale, em seu espaço,
O seu “se construir”

A Lua no céu
A arte, a Paz
Um beijo roubado na beira do cais
Saudade, criança
Um amor que não deu
O carro, a casa,
Grana, fama ou Deus

Botequim

Estou
Aqui sentada neste botequim
Pensando
No que será que sentirá por mim
Buscando
Alguma maneira de lhe dizer
Aquilo que eu sinto por você
Se nem eu mesma posso entender

Garçom
Traz outro copo, este já tá vazio
Você
Quase chegando eu eu tô por um fio
Confesso
Dentro de mim existe algum pudor
Um preconceito ou talvez temor
Do sentimento que se chama.....

Já sei
Vou inventar um jeito de falar
Direi
Que tenho uma doença terminal
Não sei
Se chego viva até o carnaval
Quem sabe você possa ver também
Que quer ficar comigo até o final

Talvez
Eu brinque que tenha que viajar
E até
Não sei se um dia eu irei voltar
Daí
Você me diz, sem mim não vai viver
Fica comigo onde quer que eu for
Por causa do danado do...

E eu digo que é tudo mentira, que
era brincadeira
Você vai querer me matar, depois
vê que é besteira
Me beija e me diz que sem mim
nunca mais vai ficar
Perdemos o medo daquela palavra...

Amar

Guerreira

Quem diz que mulher é louca
Quem diz que mulher é chata
Quem acha que a gente é bruxa
Quem chama a gente vaca

Não sabe da nossa luta
Pensa que a gente é fraca
Mal sabe que a gente junta
É bem melhor que separada

Desde pequena
Aprendi a me virar
Sei que com qualquer problema
Eu só posso enfrentar

Chega de disputa
Nós não damos cara a tapa
Separou, a gente junta
Veste uma saia rodada

(refrão) Eu sou guerreira
Sei que você também é
Bate na palma da mão
Bate na planta do pé

No final das contas
Mesmo com a cara lavada
Se for pra chorar eu choro
Não me sinto envergonhada

No final das contas
Ninguém rouba a minha risada
Eu sou rolo compressor
Passo em cima da manada

(refrão)

Mesmo com a pele esfolada
Com a mão calejada
Com o corpo pesado
Com a alma cansada

Sei que sou discriminada
Mesmo maltratada
Me faço bonita
Eu sou da pá virada

(refrão)

Eu sou guerreira
Sei que você também é
Vamos juntas pra peleja
Porque a gente é mulher

Do que você não sabe

Do meu amor há coisas que vocênão sabe
Que quando dorme eu respiro o seu ar
Que eu te acalmo a cada sonho atormentado
Beijo suas costas antes que vá acordar

Do meu amor, você não sabe, na distância
Faço gentileza em toda circunstância
Digo “bom dia” a qualquer um na rua
Sou grata ao Sol, estrelas e à Lua

(refrão)
Você não sabe, nem poderia saber
De quem eu sou estando longe de você
Mas eu te falo, sem nenhum pudor,
Sou bem melhor depois dos eu amor

Antes do seu amor eu era mediana
Lugar comum, sem sal ou razoável
Não tinha o brilho de alguém que ama
Meio perdida, tinha humor instável

Antes do seu amor eu vivia buscando
Pelo caminho, alguém como você
Sem conhecer, quase que desistindo
Quando, enfim, me apareceu sorrindo

(refrão)
Você não sabe, nem poderia saber
De quem eu era antes de ter você
Mas eu te falo, sem nenhum pudor,
Sou bem melhor depois do seu amor

Com seu amor eu me desconstruí
E sei que hoje, sim, eu sou bem mais feliz
Tempo passando, e não importa o dia
Ainda estremeço em sua companhia
No seu amor eu sempre quero estar
Junto contigo ver tempo passar
E um dia olhar pra trás e agradecer
O tempo certo de amar você

Você não sabe, nem poderia saber
De quem eu sou depois de ter você
Mas eu te falo, sem nenhum pudor
“Pra sempre” é pouco tempo para o nosso Amor

Quando eu morrer

Quando eu morrer
Não vai faltar cachaça
E nem torresmo na mesa do bar
Não vai faltar crianças a brincar
Nem bolo e nem café
Pro povo se fartar

Quando eu morrer
Não vai faltar viola
Discos tocando na velha vitrola
Não vai falta nem homem, nem mulher
Dispostos a se amar
Quando a festa acabar

(refrão – 2x)
Oh, dona morte, só lhe peço um favor:
Que me leve antes
Antes do meu amor

Quando eu morrer
Não chorem a minha morte
Nos encontramos, sou grata pela sorte
Queimem meu corpo, as cinzas numa horta
Todos brindando a vida
De resto nada importa

Quando eu morrer
Eu quero abrir a porta
E meus amigos todos encontrar
Não vai faltar bom contador de histórias
Meus feitos e desfeitos
Me guardem na memória

(refrão – 2x)
Oh, dona morte, só lhe peço um favor:
Que me leve antes
Antes do meu amor

Como já dizia minha avó

Como já dizia minha vó
Hoje tudo é feito pra quebrar
Nunca vi as coisas durar tão
Pouco tempo como hoje está
Você olha, gosta, põe a mão
Vê o preço e já quer levar
Mal chegou em casa já quebrou
Mas eu tô falando do amor

Como já dizia minha vó
Hoje tudo é feito pra quebrar
Vai, menina, quebra até o chão
Que eu nunca paro de te olhar
Só não vai quebrar meu coração
Que eu não sei se ele vai aguentar
O que eu sinto por você é tanto
É amor pra não se acabar
Entra na roda, quebra tudo com seu jeito
E eu me pergunto se eu tenho algum direito
De querer você toda, tudo isso sópra mim
Aí eu vejo seu olhinho me dizendo: “sim”

Ei, você aí!

Ei, você aí!
Que não tá sabendo aonde ir
Eu vou lhe chamar a atenção
Não dá bobeira ou ainda vai ficar na mão

Ei, você aí!
Que ainda não sabe o que fazer
Eu vou lhe dar um toque, meu irmão
Saia de cima do muro, tome uma posição

Ei, você aí!
Que perde tempo e tem medo de errar
Ficar parado não leva a lugar nenhum
Mais vale ter na mão um do que dois
longe a voar

Ei, você aí!
Que tá me olhando com medo de chegar
Enrola não, que eu também estou te vendo
Mas se você demorar já não vai me encontrar

Todo lance tem seu tempo
Não há garantias, meu bem
Espera demais e você vai ver
Se ainda não perde o que tem

Estou te mandando um recado
Esse é meu jeito de dar tchau
Só não vai ficar chateado (meu bem)
Eu juro, não é pessoal!

Cátia Machado?

Quem é essa Mulher?



É uma guerreira, uma mãe, uma artista por inteiro, cantora e compositora.
"Agora Sim" é a História dessa Mulher.
Compartilhada com todas suas companheiras.
Sentida e vivida no gênero feminino,
Para dar voz, espaço e respeito às mulheres.

Identidade

"Agora Sim" é o trabalho de estréia de Cátia Machado, o momento aguardado por toda uma vida, para compartilhar seu talento e criatividade com todos que apreciarem essa música popular brasileira, cheia de histórias, sentimentos, alegria de viver e um convite para dançar.

Parcerias

Para concretizar esse trabalho nos cercamos de grandes profissionais da música, que nos orientaram, apoiaram e produziram esse álbum, com carinho e dedicação excepcionais. Agradecemos especialmente ao Estúdio Criasom e ao produtor Rogério Plaza.

Gratidão

Aos que, na ausência ou distância, me sustentam: Guilherme e Felipe. Aos meus avós, tio Ronald e meus irmãos. Aos amigos que se envolveram com suas verdades: Rogério e Djalma. Às mulheres que me ouviram antes: Salete, Thais, Aline Andrade, Júlia, Maroca e Vanessa. Às vozes que ecoaram no coro de mulheres: Sheila, Rosângela, Dona Alice, Mah Fernandes, Lara Grossi, Vitória Cação, Janaína, Valentina, Helena, Paula e Manuzinha. Agradeço aos amigos, Josiel Rusmont e Rogério Plaza, e nossos músicos maravilhosos. Ao talento de Chiquinho Garcia, Élio Andreotti e Bia Bassan. À diva Fabíola Alcântara. Ao estímulo de Nélson Itaberá e Manu Saggioro. À generosidade de João Biano e ao Ariel, que tem sede de música, e ao pai dele, pelo incentivo. Aos meus pais, com seus elegantes ouvidos. Por acreditar em mim, ao músico e maior incentivador: Daniel Marques. E, por fim, agradeço à 3ª Lei de Newton. Ou, como já dizia minha vó, você colhe o que planta!

Técnica e Participação

Produção Musical e Arranjos: Rogério Plaza
Gravado no Estúdio Criasom (Bauru-SP), por Josiel Rusmont
Edições: Adriel Felipe, Yuri Kufa e Bruno Rossato
Mixagem e Masterização: Josiel Rusmont

Músicos Participantes:
Bateria: Guilherme Carvalho e Henrique Oliveira
Baixo Elétrico: Fernando Lima e Chiquinho Garcia
Baixo Acustico e Fretless: Daniel Campos
Violões: Emílio dos Santos
Violão 7 Cordas: Gabriel Soledade
Guitarras: Emílio dos Santos e Josiel Rusmont
Cavaco: João Umberto do Cavaco
Piano, Teclados e Acordeon: Rogerio Plaza
Percussão: Tico Proença e Thatá Costa
Cordas: Aramis Rocha Quarteto
Metais: André Rodrigues Grupo
Vocais: Fabíola Alcantara

Participações especiais na música "Guerreira": Sheila, Rosângela, Dona Alice, Mah Fernandes, Lara Grossi, Vitória Cação, Janaína, Valentina, Helena, Paula e Manuzinha.
Participação especial de João Biano na música “Como já dizia minha vó”.

Olhares

As fotos dos ensaios que usamos na criação do encarte de "Agora Sim" expressam a diversidade de nossos sentimentos e o alcance de nossa criatividade.

Norte

Tatoo

Burn

Vodoo Lounge I

Coragem

No campo I

Ponto riscado

Vodoo Lounge II

Deméter

No campo II

Ressurgida

Nas águas

Agenda

Nossas Apresentações

  • 07/05 às 20h30 - Show de pré lançamento no Templo Bar
  • 27/05 às 20h - Diálogos e Canções - Criasom Estúdio
  • 04/07 às 20h30 - Show de Lançamento - Teatro Municipal de Bauru

DEPOIMENTO JOSIEL - Uma surpresa. Um universo feminino em letras, melodias e força. Voz carregada de expressão e verdades, cantando suas vivências. Sentado, ouvindo com o fone, o disco nos leva com certeza ao universo da esperança. Sabe aquele que pensava ter perdido, e que a música não faria? Pois é, tenha essa surpresa.

JOSIEL RUSMONT Criasom Estúdio

DEPOIMENTO ROGÉRIO PLAZA - Produzir o trabalho da Cátia foi um presente pra mim, uma das gratas surpresas que tive com a nova cena da musica autoral independente! Imagino que ela mesma não tinha idéia da força da sua música. Ouvindo suas canções, os arranjos foram nascendo naturalmente e a cada novo instrumento gravado o disco foi ganhando forma, com o nascimento do álbum revelou-se também uma artista de muita personalidade, que alem de compor, interpreta e expressa suas ideias de forma única, sua música nos leva a lugares diferentes e épocas, emociona e faz pensar, vai literalmente da valsa ao forró com personalidade e força.

ROGÉRIO PLAZA Produtor e Compositor

DEPOIMENTO MANU SAGGIORO - A composição da Cátia é um grito de urgência. Desmedida e visceral, sai o que tem que sair. Talvez pelos anos em que sentia tudo sem saber como pôr pra fora, talvez pela maturidade da vida em si ou quem sabe pela liberdade como fruto da despretensão, ela simplesmente traz letras e melodias com uma facilidade assustadora. Cátia Machado é puro sentimento e inspiração.

MANU SAGGIORO Cantora e Compositora

Contato

Estamos à disposição para bater papo
sobre projetos e oportunidades

eu@catiamachado.com.br

Bauru
São Paulo/SP

(14) 99713-5993